quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

mini croniqueta (ou: um causo de família)

minha tia me pediu o grande sertão veredas emprestado, imaginando que eu o tivesse. não o tenho, mas tá. aí eu disse a ela que era uma obra dificílima de ser lida, algo que, para minha surpresa, ela não sabia. o desejo dela em ler o livro se deve ao fato de ter ouvido, nos últimos dias, muitas pessoas falando do livro e do autor. então, eu sugeri a ela que começasse pelos contos do "primeiras estórias", para familiarizar-se com a linguagem do bicho, o rosa, ao que ela me respondeu: - eu já tenho mais de cinquenta anos, né, ítalo.

3 comentários:

Enzo Potel disse...

hahahaha maravilhosooooooooooo

ela pode não entender, mas pelo menos a idade faz com que não tenha qualquer receio de tentar.
afinal, o que ela perde não gostando ou não entendendo Grande Sertão Veredas?

Guilherme disse...

E é por isso que amo a literatura. Ela não tem fronteiras para quem ama uma descoberta entre palavras numa folha de papel... Não se tem idade para avançar por entre os obstáculos se o amor e a coragem leitora falarem mais alto e clamarem por um desavio aos olhos e ao coração... Bem os dizeres. Bom o Rosa. Boa a leitura. E "aquele abraço" Ita... :D

Lê Fernand's disse...

sabedoria misturada com a sensatez.

;)