quinta-feira, 15 de agosto de 2013

livros não salvam o mundo. nem as pessoas.

ambiguidade proposital no título. porque de salvação já basta a bíblia e sua promessa-nunca-cumprida. aliás, está aí um bom exemplo de um livro que amarra a narrativa à autoajuda. que embaralha um realismo ao fantástico e ao romântico. que suscita no leitor esperanças ao mesmo tempo em que o exime de responsabilidades e o cobra de posturas individuais e sociais. enfim, uma contradição exemplar, como todo bom livro deve provocar.
tem uma frase clássica atribuída ao caio graco e ao mário quintana nas esquinas porraí que diz assim “Livros não mudam o mundo. Quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas”.
sim e não.
é cômodo – e eu já fiz isso por demais – atribuir aos livros – e, consequentemente, à leitura e à literatura – a responsabilidade pela mudança de caráter e de comportamento das pessoas. registre-se que uma mudança para melhor, é claro. digo que é cômodo porque me parece que se exime do sujeito uma tomada de atitude que independe dos livros e uma própria formação cognitiva, psicológica e social que da mesma forma não apresenta relação direta com bagagem leitora.
o romantismo é vizinho da utopia. ambos não me agradam muito porque, a meu ver, apresentam uma fugacidade exagerada – na verdade, ambos apresentam o exagero como condição necessária para um olhar o mundo. e este olhar se coloca muito distante de uma possível realidade, lidando apenas com uma idealização da mesma.
os livros não mudam o mundo e os livros não salvam as pessoas. não são remédios como os vendidos nas farmácias. olhar para a literatura dessa forma é torná-la uma religião: a salvação está em deus. a salvação está nos livros. duas visões simplórias. dois movimentos humanos que se eximem de uma responsabilidade sobre si. o fanatismo já está acabando com o futebol há bastante tempo. não precisa acabar com a arte também.
então o que nos leva a ler? depende, primeiramente, o que se lê. posso afirmar que é o contato com outras vidas que me leva à leitura de romances e de contos, assim como é uma aproximação com possibilidades de trabalho com a linguagem que me coloca junto a livros de poemas. é o meu gosto por futebol que me faz ler crônicas futebolísticas, e é meu trabalho como professor e pesquisador que me tornam leitor de livros teóricos. nada disso me salva de algo. apenas me complementa, ajuda-me a tornar-me quem sou, nesse processo, ainda bem, contínuo, ininterrupto.
para amarrar a conversa, um exemplo: diz assim o personagem antônio jorge da silva, do angolano recém-ganhador do prêmio portugal telecom de melhor romance, valter hugo mãe, em seu “a máquina de fazer espanhóis”: “fora uma ingenuidade da minha parte achar que armado com um livro me armara para todos os inimigos do mundo”. retiremos a frase do contexto no qual ela está inserida – um hospício, lugar em que se passa todo o romance citado – para trazê-la a esta discussão: não é armando-se de livros que alguém vencerá seus inimigos. é lindo pensar assim? pode ser. mas não me satisfaz. traz-me medo, a bem dizer. porque ingenuidade em excesso me preocupa. a vocês não?

prefiro o amargo ao doce no modo de olhar o mundo. porque o amargo ao menos me parece propor uma possibilidade de mudança. o doce estabiliza e deixa estar. até azedar.

ítalo. 

Nenhum comentário: