terça-feira, 30 de agosto de 2011

a função do leitor - 1

"Quando Lucia Peláez era pequena, leu um romance escondida. Leu as pedaços, noite após noite, ocultando o livro debaixo do travesseiro. Lucia tinha roubado o romance da biblioteca de cedro onde seu tio guardava os livros preferidos.
Muito caminhou Lucia, enquanto passavam-se os anos. Na busca de fantasmas caminhou pelos rochedos sobre o rio Antióquia, e na busca de gente caminhou pelas ruas das cidades violentas.
Muito caminhou Lucia, e ao longo de seu caminhar ia sempre acompanhada pelos ecos daquelas vozes distantes que ela tinha escutado, com seus olhos, na infância.
Lucia não tornou a ler aquele livro. Não o reconheceria mais. O livro cresceu tanto dentro dela que agora é outro, agora é dela".

eduardo galeano, página 20 de "o livro dos abraços".
_ _ _ _  _
eu comecei uma aula com a sexta série, ontem, lendo isso. apenas lendo. porque às vezes ler-por-ler é muito mais interessante do que ler-para-cobrar-algo. porque daí você lê, fecha o livro, olha praquelas carinhas miúdas que devolvem o olhar para você como que dizendo "tá, e daí?". e daí você devolve a pergunta "tá, e daí?". e o melhor de tudo é o silêncio que fica. essencial para se tocar a aula adiante. até quem sabe, no meio dela, ser interpelado por uma pergunta: "quem inventou a escada, professor, queria subir ou queria descer?". 

aí você sente que muita coisa nessa vida vale toda uma existência.

ítalo.

3 comentários:

dani carrara disse...

que bonito isso.

Ph disse...

coisa interessantíssima.
literatura não é mesmo pra nos dar respostas, mas sim mais e mais indagações, criar aquela revolta gostosa.

Assis Freitas disse...

é o dito pelo dito, simplesmente


abraço