quinta-feira, 4 de agosto de 2011

fazendo bater


acho que é isso que acontece quando eu levo um livro para os meus alunos. para ler com os meus alunos. acho que rola dentro de mim, quase no inconsciente, um querer que eles se batam. os livros e os alunos. que eles colidam, entrem em choque mesmo. em todos os sentidos. porque a leitura precisa marcar. porque a vida precisa ser marcada pelas leituras. senão não é leitura. senão não pode ser vida.

é assim que eu leio um pouco a cada semana, por exemplo, "a bolsa amarela". e vejo nos olhos deles tantas raquel. cada uma vestida com a roupa que a própria vida deles dá a elas. porque ser leitor pode ser isso. vestir o personagem com aquilo que você tem em casa. ou mesmo dentro de você. 

é quando eles passam a sentir a angústia em querer saber o que vai acontecer com o pedro, em "a distância das coisas". cadê a mãe do pedro? por que o pedro não larga tudo e busca descobrir o que aconteceu realmente? o que leva o tio do pedro a agir daquela forma?

e, não, eu não os deixo emprestar aquele livro, aquela história, para ler em casa. porque é história escolhida para ser ouvida em sala. porque a leitura ouvida não é a leitura lida. e vice-versa. e ler num soco não é ler a prazo.

é muita vida para um só dia. 

í.ta**

4 comentários:

Assis Freitas disse...

a leitura tem que pulsar mesmo, em todos os sentidos possíveis, inclusive nos olhos


abraço

Guilherme disse...

Maravilhoso... Assim mesmo que sentia em nossa leituras em sala.. la no cec>... Abraços, gui

Roberta Ávila disse...

bem lindo. =D

bjos

KAJUB disse...

Delícia de leitura!
Parabéns pelo blog.
Voltarei...