sexta-feira, 1 de outubro de 2010

começos

começar a ler um romance é algo que me encanta. mais do que isso, encanta-me o fato de começá-lo e de, sempre ao terminá-lo, voltar ao seu começo. pois um começo nunca é o mesmo quando lido pela segunda vez. parece que a história se fecha com mais precisão ao leitor. 

já postei aqui algo sobre começos de livro. 

e volto a fazer isso.

o começo de "o último voo do flamingo" é um dos melhores que eu li esse ano. um dos que mais marcou. e quando eu digo que marca é porque a primeira reação, ao ler, é aquela: puta que o pariu, que começo! e daí você lê o começo várias vezes, e só depois segue o romance.

"Nu e cru, eis o facto: apareceu um pénis decepado, em plena Estrada Nacional, à entrada da vila de Tizangara. Era um sexo avulso e avultado. Os habitantes relampejaram-se em face do achado. Vieram todos, de todo lado. Uma roda de gente se engordou em redor da coisa. Também eu me cheguei, parada nas fileiras mais traseiras, mais posto que exposto. Avisado estou: atrás é onde melhor se vê e menos se é visto. Certo é o ditado: se a agulha cai no poço muitos espreitam, mas poucos descem a buscá-la". 

í.ta**

13 comentários:

Moni. disse...

E eu acho lindo esse teu caso de amor com a leitura...

Triste de quem reduz a palavra prazer... Precisa aprender a ampliar contigo.

Admiro-te demais, sabia?

Beijoca!

enzo disse...

que demais esse começo!
eu e Pimenta aqui babando.

ela diz: "Eu quero esse livro".

eu faço o comentário.

Roberta Ávila disse...

os começos do garcia marquez sao os melhores. o de 100 anos de solidão e o o amor nos tempos do colera sao os melhores do mundo =D

bjoca!

Assis Freitas disse...

é um começo e tanto,


abraço

Regina Carvalho disse...

Mia Couto é inigualável! E além de tudo, é bonito daquele jeito, hehe..Não precisava!
bj

BAR DO BARDO disse...

De fato, literatura aqui poreja. Suor e sangue...

Bom trabalho!

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Engraçado como a gente julga que certos comportamentos [que tomamos sem imitar ninguém] sejam só nossos... ir à livraria e cheirar mil livros antes de comprar os meus, reler o começo ao terminar... sempre fiz isso e me parece indício de acerto ou de compartilhar a mesma loucura saber outros façam tal qual... :)

Maria Paula Alvim disse...

Deu a maior vontade de ler o livro - vou ver se consigo um exemplar ainda no fim de semana. Abraço.

Eduardo Silveira disse...

começo bem-escrito.
tens toda a razão. é o começo que pesca a gente, não?
Tentei puxar na memória um começo fodástico. De cara, me lembrei do Macunaíma. Adoro o começo Mas é muito Taiza, né? Esse não vale. hah. Fica pra outra hora.

abraço!

Eduardo Silveira disse...

adendo: o Mia Couto é bonito, é? Nunca vi a foto do hômi.

Záia disse...

Começo bom é tudo né! Lembrei do início de "O Estrangeiro" do Camus. Prende o leitor de cara até o fim...A lentidão do Kundera voltei inúmeras vezes ao início.

mcris disse...

Oi, Ítalo!

Lá no post de 2008 sobre o mesmo tema vc fala de Se um viajante numa noite de inverno, que é uma coleção de começos... Que eu me lembre, acontece assim: todos esses começos são muito bem sucedidos na tarefa de fisgar o leitor; todos eles são promessas de prazer com as quais o autor nos mantém em suspenso, amantes para sempre insatisfeitos.

(qualquer semelhança com Sheherazade não pode ser mera coincidência...)

Parece que o começo de um romance só pode mesmo ser um processo de sedução (desculpe. não deu pra resistir aos dois sentidos do termo 'romance'...)

Abraço.

HAZEL disse...

Realmente, esse começo é bem prometedor!

Em relação ao teu comentador que perguntou se o Mia Couto é bonito, ele é bonito e charmoso, sim. :)

Abraço!