terça-feira, 17 de agosto de 2010

narrativa um: bordado



foi assim, como quem costura. amarrando dali para lá. eram histórias aquelas. mas ele nem aí. engolindo-as. parecia só contornar. como quem desenha. pelas bordas mesmo. com laços frouxos, misturados. parecia só contornar. só parecia. eram histórias outras que nasciam dali. não das bordas, mas do centro mesmo. dele. embora nascer fosse sempre um perigo. uma possibilidade. era isso o que ele fazia. brotos. pedaços de vida. as que ele levava, as que ele trazia. sim, porque tudo o que vai, volta. melhor ainda retorcido, esmagado, diluído e renascido. sempre um perigo. sempre uma possibilidade. um curso. per. um percurso. um rumo. um re. começo. 

í.ta**

8 comentários:

Aninha Kita disse...

Noossa! Demais! *-*
É por isso que não canso de dizer que simplesmente ADORO QUANDO SE PERMITE AO MUNDO LITERÁRIO! Adoro seus textos, tão cheio de sua personalidade e de possibilidades.
Enfim, únicos!
Esse seria outro merecedor de concurso.

Abraços!
Ana

Michele Andrea Mondek disse...

Ítalo... Como sempre uma super fã aqui postagem muitos e muitos elogios.
Essa oralidade que os pontos e hífens dão ao texto é incrível e extremamente poético.

Parabéns.

Beijos

Izaias de Souza Freire disse...

O bordado está bonito! Acima das rendas.
abraço

Eduardo Silveira disse...

tbém curti!
Ah, eu tava sentindo a cadência desse teu bordado, e me lembrei de 'um corte', aí pensei "não falei nada com o ítalo sobre o livro, né?" pois é, não falei.
precisamos trocar umas ideia, ae!

Abraço :D

Roberta Ávila disse...

ô meu deus, queria q vc escrevesse o dia inteiro para eu ler... =P

Adoro!

Bjão

Lara Amaral disse...

Verdade, meu caro.

Adorei a amarração de seu texto, sua prosa tem uma forma peculiar e dinâmica que muito me agrada! ;)

Beijo.

Moni. disse...

Fantástico, Íta...

Já disse que eu adoro esse teu jeito de pontuar. Muda tudo. É como que, generoso, quisesse nos deixar respirar para o lance seguinte, que vem - como as melhores coisas - de dentro. Do teu dentro, "embora nascer fosse sempre um perigo."

Perigo que vale a pena correr...

Abraço saudoso de ti, moço...

Desculpa a demora em vir. Vida louca, vida...

Mas é melhor assim. Pra assimilar tudo como se merece, diante de um texto teu.

Beijos admirados, sempre!

Moni

Christiano Scheiner disse...

essas narrativas são realmente belas, me interessam muito e me instiga muito: parabéns pela síntese e imagens que revelas ao escrever.
um forte abraço do chris