sexta-feira, 23 de julho de 2010

comemorando

hoje o um sentir complementa o outro está de aniversário. são quatro anos já. parece tanto tempo, sabiam? precisei voltar pra primeira postagem. sensação gostosa de retorno. são, agora, mais de oitenta seguidores. e gente que diariamente passa por aqui pra ver como estão as coisas, o que há de novo e o que não há. gente que registra a passagem por comentários. gente que registra por e-mail. gente que registra por palavras. gente que não registra, mas que aqui está.

acho bonito isso. essa relação que a gente vai criando com blogs e pessoas.

por isso mesmo que, comemorando esses quatro anos deste blog, eu lanço nova ideia aqui: perfis de leitores. vai ser assim. periodicamente (não sei com que frequência exata, ok?), postarei aqui entrevistas com leitores de vários cantos. blogueiros, escritores, leitores não-virtuais. enfim, gentes que conheço. que muito admiro. que acredito que tenham muito de vida para repartir assim, num blog com pretensões de dar a cara a tapa a cada escrito, a cada postagem.

tá lançada a ideia! começa com a entrevista abaixo, com aquele me despretenciosamente me deu a ideia. enzo me entrevistou para um negócio dele lá, um texto que ele tá fazendo. a partir disso eu pensei: por que não entrevistá-lo para o blog? e por que não, a partir da entrevista com ele, entrevistar mais pessoas? deu no que deu. vâmoquevâmo.

parabéns a você, um-sentir!
_ _ _ _ _
Entrevista com Enzo Potel

Que tipos de livros você gosta de ler?
Poesia. Contos. Romances (menos axé, forró e sertanejo).

Com que freqüência você lê livros?
Acho que um por semana.

Cite alguns autores e alguns livros favoritos e explique por que para você são favoritos.
Bento Nascimento do primeiro ao último dia da minha vida, porque ele é simples e original. Atualmente tudo de Katherine Mansfield (pela fragilidade), tudo de Virginia Woolf (pela complexidade, pela versatilidade), tudo de Osho (pelas escuridões aceitas).

Agora diz um livro que deixou você assim, sem respirar por um bom tempo? E um que você tenha achado uma bela porcaria?
Rumo ao Farol, da Woolf: pensei em parar de escrever depois de ler aquilo. E a porcaria: a antologia da Adília Lopes (Cosacnaify). Brochante. Me fez voltar a escrever.

Em que lugares vocês costuma ler? E qual é o seu lugar preferido de leitura?
Em circos e helipontos. Mas nada se compara a ler em casa, durante o banho.

Você costuma comprar muitos livros? Empresta-os de bibliotecas? Tem o costume de emprestar seus livros a alguém?
Só compro na estante virtual. Bibliotecas às vezes. Odeio emprestar, mas empresto.

Quem é o Enzo enquanto leitor?
Um inquieto, coçando a cabeça, contando as páginas que faltam para terminar o capítulo.

Como você incorporou a prática da leitura? Alguém incentivou, teve um fato marcante?
Ah, sempre tem uma professora bipolar que incentiva a gente, que transforma a literatura num universo paralelo e dá gargalhadas quando você não consegue sair mais de lá.

Desde quando você é blogueiro? O que o blog representa na sua formação leitora e escritora?
Há três anos. O blog é ótemo, te faz arquivar as produções, te faz conhecer umas pessoas maravilhosas - pessoas, não escritores; mesmo porque até se a Sylvia Plath tivesse blog, todo mundo ficaria saturado uma hora.

Quer falar um pouco também sobre o que a escrita significa para você?
Escrever é um presente. Reescrever (prosa) é um pesadelo.

Deixa uma frase de (d)efeito aí, sobre leitura, escrita, livros, afins...
“Porque a partir do momento que tu termina o poema, ele já não é mais teu. (...) Tu não vai declamar meu poema assim, né, amado?” Açucena Brandão.
_ _ _ _ _ 
í.ta**

12 comentários:

Aninha Kita disse...

Parabéns! ;D
Gostei da ideia!
Gostei da entrevista com Enzo Potel (escritor que admiro).

Deixo minha sugestão de você também se entrevistar! :P hehe

Sentires por muitos anos ainda!
Beijos!
Ana

Território Nenhum disse...

Parabéns! Que venha outros tantos! Estou sempre por aqui, mesmo quando não faço comentários.

abs
Záia

enzo disse...

Aninha! em breve, em algum lugar do futuro, vai ter entrevista (em outros moldes) do Italo aí na net. to querendo confrontar ele com outra leitora fodástica.

Gabriel Gómez disse...

Uma data é uma porta que nos leva a outra... Neste caso, não adianta bater... Já estámos dentro...
Grande abraço e que venham muitas outras!

Kyria disse...

Excelente idéia, adorei. Parabéns pelo blog, sempre estou aquí, bjs.

Eduardo Silveira disse...

adorei, adorei. figura, e excelente poeta, o enzo.
(ler no banho! /o/)

essa postagem, como a anterior está me recordando de uma não-postagem sobre a leitura que fiz dos livros dele. semana-que-vens, sem falta. ;)

e parabéns pela marca. o blog tá pimpão. (desencavei essa :D)
Abração!

PS: fiquei pensando no blog da plath. rsrs

Moni. disse...

Parabéns pro blog e pra ti...

É um registro muito interessante de nós mesmos. Um verdadeiro álbum, onde a fotografia é a palavra...

Legal a entrevista. Também adorei os lugares que o Enzo escolhe pra ler... Fiquei curiosa pra saber os que escolhe pra escrever...rs

E concordo com a Aninha... Um Íta por ele mesmo cai bem... ou quem sabe, os leitores jogando suas perguntas, te botando na roda, hein???

Encaras???

Beijos e parabéns de novo!

Moni

Mary Pereira disse...

Parabéns a este espaço!
O presente quem ganha somos nós, a cada vez que passamos (e sentimos) por aqui =)

Beijo

Camila F. disse...

Parabéns,Íta! Pelos 4 anos e pelo um sentir que é um blog muito bom. Gosto demais daqui.

P.s: A ideia das entrevistas é muito boa e a entrevista com o Enzo Também. Gostei.

Beijo

Paulo Rogério disse...

Parabéns pelo aniversário!
- Como o cara consegue ler no banho?!

Anônimo disse...

Olhaaaa!!! 4 anos!? meoDeus! quanto tempo!!!

Parabéns pelo blog que gosto tanto; sou leitora assídua no tempo permitido, mas venho! rs
Adoro esta ligação de blog, blogueiros, leitores, livros e palavras!!!!
Achei a ideia otima!!!!
e, lógico, tinha que ser com Enzo! rss

beijoo! Gisele

Sylvia Araujo disse...

Parabéns pelo aniverrsário do blog! \o/
E as entrevistas são muito legais -aproxima e compartilha.

Beijo grande, querido