sexta-feira, 9 de julho de 2010

carta ao ítalo: da arte de fazer pesquisa

ítalo, tu és muito babaca, mesmo, né? não, mais do que isso. antes disso. tu és um tremendo de um ingênuo. ora, onde já se viu, acreditar em órgão público? qualé a tua, cara? ainda mais um órgão público que cuida de pesquisas de iniciação científica. pesquisas acadêmicas. quem é que dá bola para pesquisas, piá? quem? e tu ainda te inscreves em coisas assim! tu mereces uma surra mesmo, viu?! não é possível! agora ficas aí esbravejando contra eles. mas é claro que tu não vais conseguir falar com eles! eles não existem, seu trouxa! ah, sim, mais isso que tu és, um trouxa de marca maior! é claro que ninguém responde a e-mail nenhum teu. é claro que ninguém atende a ligação nenhuma tua. é claro, seu ítalo, é mais do que claro! burro! mas, ó, vou te dizer uma coisa. assim, na boa, como amigo, como irmão mesmo. eles não fingem que te pagam? pois então, agora finjas que pesquisas. simples. eles não vão deixar de te pagar metade das parcelas que no edital diz que tu terias direito? pois então. tu não trabalhastes até agora metade dos meses propostos? pronto. elas por elas. se eles fingem que te pagam, tu finges que fazes algo. agora faz assim, daí. a grana que receberes de agosto a dezembro (não, não, nem precisas me lembrar que deverias tê-la recebido desde março, e que deverias continuar recebendo-a até fevereiro do próximo ano. lembra disso, não, rapaz. bola pra frente. escuta o que tô te dizendo). a grana que vais receber agora, tu gastas em cerveja com os amigos. eu já me convido, tu sabes. gastas em cervejas, em viagens com tua noiva, em jogos de sinuca. tudo simples, cara. não tem mais nada dessa de comprar livros. quê comprar livros o quê, rapaz?! bora se divertir! livros só fazem mal às pessoas. não tá vendo aí o estado em que tu estás? pegas esses dez dias de férias, agora em julho, e somes do mapa. ah, eles só paragão em agosto? e tu acreditas mesmo nisso? capaaaaz?! somes, rapaz. somes mesmo. aí, assim, outra coisa. outra dica de irmão mesmo. não tem que entregar um troço lá no final da pesquisa? lá no ano que vem? um texto, uma parada assim, mostrando os resultados e tals? pois então, entrega um texto pela metade. ah, tá, é um artigo. tá, tu sabes que eu não sei essas palavras chiques, não. mas, enfim. entregas pela metade. vê lá quantas páginas eles pedem, e faz na metade. aí colocas assim um p.s. bem bonitinho, tipo o p.s. daquela história da lygia, do livro "tchau", lembras, da qual tu já me falastes? isto, "a troca e a tarefa". lindo aquele p.s., né?! sim, eu não li, mas é que tu falas tanto dessa história, que até já decorei. faz igual, bobo, faz. conselho de irmão, hein?! não quero te ver comprando mais um livro, hein?! vou ficar de olho em ti. aprendas a fingir, cara. se te perguntarem como tá a pesquisa, digas que está tudo ótimo. digas até que estás recebendo a bolsa. povo vai achar muito chique isso! e, claro, continuas lá com teu grupo de pesquisa. isso é bom, isso faz bem, a ti e a eles, os participantes. isso não faz mal a ninguém. só larga mão dos livros, das escritas pra essa tal de pesquisa. ah, qualé, cara, tu sabes fingir, sabes fingir super bem! olhaí, ó, já estás fingindo que está tudo bem. para muitos. são pouquíssimos os que sabem desse teu infortúnio aí. visse que palavra chique usei? aprendi contigo, cara! até aprendi outra coisa, uns versinhos de um tal de pesssoa aí. eles combinam contigo, ó: "O poeta é um fingidor. Finge tão completamente. Que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente". meu, cara, tudo a ver contigo! taí, tu és um poeta! um poeta com e sem palavras! é isso aí, meu, abre esse sorriso aí e manda tudo à merda. aí, faz assim também, ó. nisso eu te ajudo ainda mais. quando eles fingirem te pagar de novo a bolsa, o pouco que receberás, ok, tu finges de novo que estás recebendo. aí, fingindo como um poeta que és, devolve-a a eles, e mande-os enfiarem em seus respectivos cus. e bora jogar sinuca e tomar cerveja, porque ainda haverei de te embebedar num bar para enfim ganhar de ti uma partida! com amor e admiração, ítalo.

8 comentários:

Lara Amaral disse...

rsrsrs... Putz, fogo isso! Ainda bem que tem o blog para se autoenviar uma carta-desabafo, rs.

Beijo.

Aninha Kita disse...

Sem P.S., mas escrito lindamente por Lygia. "Se essa é minha paix...*"
"*Nota de Lygia Bojunga: A escritora morreu sem acabar a frase. Deram com ela debruçada na mesa, a ponta do lápis fincada com paixão."
Não se deixa morrer, Ítalo!
É só burocracia, no fim nada disso importa. Não se perca no caminho. Solte sua fúria, grite seus xingamentos quando precisar, mas deixe a raiva passar. Nada disso faz sentido pra alma do poeta.

Cuide-se, menino!
E lembre-se sempre do quanto é salutar o grupo, para você e para nós.

Beijo!
Ana

P.S.: Livros fazem um bem danado se souber como usá-los. Bobinho! E sei bem que sabe usá-los, nada contra sinuca ou sair com os amigos, mas não abandone suas livrarias e sebos.

Elenice disse...

Nezii, concordo com esse teu amigo aí, deves sumir nesses seus dias de férias. Eu até te ajudo com isso. Hahaahahaha.
Mas não quero saber desse papo de parar de comprar livros. Humpf!
E eu também quero jogar sinuca.
=)

Moni. disse...

Certo.

Explosões imediatas à parte, daqui a uns 3, 4 dias, tu repete isso pra mim:

"livros só fazem mal às pessoas"

Certo???

=P

Esfria aí.
Boa cerveja...
Ajuda.

Território Nenhum disse...

ahahahaha

bora tomar cerveja no butequim

Rosemildo Sales Furtado disse...

Geralmente o desabafo faz bem à saúde. Quanto a tua referência aos livros, tenho certeza que foi devido ao nervosismo, pois amanhã ou depois, verás o quanto estavas enganado.

Abraços e ótimo final de semana pra ti.

Furtado.

Eduardo Silveira disse...

beba, amigo. estou precisando disso tbém.
a vida tem disso, esses tapas na cara. não que eu recomende esse sentimento de conformismo+alienação sempre. Mas nesse caso... iniciativa pública, tenho minhas dúvidas até que ponto se pode lutar ou não pelo que é justo. Vc, que está vivendo isso, deve saber.
toca adiante o projeto, que mesmo não participando efetivamente, sei que está muito bonito.
:)

Paulo Rogério disse...

Valeu o desabafo!
Mas duvido que fará tudo pela metade, e você mesmo sabe disto. A arte de bem fazer o que se propõe está muito mais nas mãos do artista do que na valoração de sua mão-de-obra.
Abraço e boa cerveja!