sexta-feira, 23 de outubro de 2009

um texto-história para uma história-poema

A vida é costura
___
Uma palavra é um entrelaçamento de letras. Uma história é um entrelaçamento de palavras. E sentires.
_____A vida é por um fio. Sempre.
____Às vezes, um entrelaçamento de fios. Mais das vezes, embaralhados.
____Viver é desfiar palavras.
____João sabe disso.
____Que João?
____O “João por um fio”, criado pelo Roger Mello.
____João tem uma história própria. Este João. Uma história dele. Sobre ele. Uma história que ele deixou compartilhar conosco, seus leitores.
____Conhecer histórias é viver também. Um cruzamento de histórias. Costuras de vida.
____A história deste João começa assim:
______João se pergunta, ao dormir: “Agora sou só eu comigo?”.
_____Pode ser, respondemos. Como pode não ser.
_____João sonha quando dorme. O que significa que nem sempre seja ele com ele somente. E há os leitores, claro, que o acompanham enquanto ele dorme.
____Os leitores a quem cabem algumas perguntas de respostas-não-prontas:
____“Onde é que se esconde a noite que beija João?”
“Quem tem medo de um gigante chamado João? Ou quando é que o gigante dorme?”
“Se João cai no sono, com que paisagens ele sonha?”
“E se o medo derrama, João é que abre a torneira?”
“Que rede segura um peixe maior que a gente?”
“De que tamanho é o furo na colcha que cobre João?”
“Como se para um furo que não para?”
____De repente, eis que, num susto, João acorda, e se preocupa: “Quem desfiou minha colcha?”.
_____Nós, leitores, sabemos quem foi. Ou como foi que a colcha se desfiou. Mas não podemos falar a João. Não podemos porque ele precisa descobrir o desenrolar da sua colcha. Ele precisa sentir como isso aconteceu. Ele precisa aprender a costurá-la novamente.
____E João mostra saber disso: “No meio do vazio viu palavras espalhadas no chão”.
_____Então, ele resolve costurar palavras “como retalhos numa colcha”. E, ainda mais. “Enquanto costura, João inventa uma cantiga de ninar”.
_____Faz mais do que imaginávamos. Surpreende-nos.
_____E a nós, que acompanhamos João assim de perto, fica a pergunta: “De que tamanho é a colcha de palavras que cobre João?”.
____Mas não nos fica somente esta pergunta. Por trás dela há outra, que João espertamente nos deixa:
______De que tamanho é a colcha de palavras que nos cobre?
_____E, para respondê-la, cabe-nos fazer como João: ao sonhar, desfiar a colcha que nos cobre, abri-la, explorá-la. Expormo-nos. E, depois, costurarmos palavras que nos cobrirão novamente.
_____A vida são ciclos, mostra-nos João.
____A vida é um se despir para se conhecer.
____
í.ta**

9 comentários:

Nydia Bonetti disse...

Este texto me fez lembrar W. S. Merwin:

Separation

Your absence has gone through me
Like thread through a needle.
Everything I do is stitched with its color.

Separação

A sua ausência transpassou-me
Como fio através de uma agulha.
Tudo que faço é costurado com sua cor.

Vou te linkar no Longitudes, ok? Um abraço!

Gabriel Gómez disse...

Os bons textos nos inspiram e até lembram outros... Este fez tudo isso com os espaços deixados entre as palavras.
Abraço.

Linda Simões disse...

Os bons textos são assim...



E tu escreves muito bem.


Bom vir aqui.


Parabéns.


Um abraço

vendaval com poesias disse...

concordo plenamente:
a vida é um eterno despir
para se conhecer...

adorei!
abraço grande

[jb] jotabê disse...

Olá, meu caro.
Linkado lá na Caixa faço justiça à tua palavra aqui desfiada.
Abraço.
[jb]

Camila F. disse...

Que lindo deve ser esse livro!!
Mas uma boa dica dica do Ítalo.:)
Beijos
Té!

Maeles Geisler disse...

lindo texto!
João emociona Marias
despede-se em cores
costura seu ser...

Abraços
Sucesso
Maeles

Eduardo Silveira disse...

me deixou doido pra ler esse livro.
falando nisso, a biblioteca da univlle é pobrinha de LIJ,né?
(unidade Bom retiro)

pelo jeito, a do SESC é boa!

abraço!

=D

Eduardo Silveira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.