domingo, 6 de setembro de 2009

trecho

tava lendo a revista "literatura: conhecimento prático", número 25.
uma matéria sobre o marcos rey, grande escritor nacional. instiguei-me a ler mais coisas dele.
____e encontrei lá um trecho maravilhoso, lindíssimo, escrito por ele em uma carta à sua esposa, palma bevilacqua.
______
deixo aqui este trecho, em que há um cuidado com as palavras, coisa mais linda!
____
"Por favor, não leia esta carta às pressas. Leia devagar e, de preferência, na cama. Verá que, em cada frase, mesmo nas mais breve e nas mais frias, há um romântico oculto. Uma pessoa que só não se demarra, como Casimiro de Abreu ou Álvares de Azevedo, porque receia o lugar-comum. Aceito o desafio de não escrever uma só frase que outros poderiam ter lhe escrito. Você me sugere coisas novas, frases de tinta fresca, talvez porque o amor para mim seja uma novidade. De novo o medo de ser derramado, groselhoso; contenho-me. Vejo-a, olhando-me com seus olhos cheios de censura, com ar de quem não acredita. Há uma vírgula mal colocada na frase anterior, mas colocar vírgulas é como dar nó na gravata, às vezes a gente não acerta. Ah, Palma, a gente faz com a vida o que quiser, se tivermos uma tesoura e papéis para recortar, improvisando castelos. Venha, venha comigo. A vida começa amanhã. Partamos para a aventura".
_______
í.ta**

2 comentários:

Daiane da Silva disse...

mui lindo...

li muito os livros juvenis dele quando eu era mais jovem...

e ele tem Lit. Adulta
mas nunca li nada.

Mas vale a pena, né.
Sabe das coisas.

=D

Camila F. disse...

Lindo...Também li muitos livros dele. E quem sabe um dia chegue a escrever bem assim, ou não...Haha