quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

meus


“Esta manhã olhei para os livros em minhas estantes e pensei que eles não têm conhecimento da minha existência. Eles ganham vida porque os abro e viro suas páginas, e, contudo, não sabem que sou seu leitor”. (p. 182)

"Para Machado de Assis (bem como para Diderot e para Borges), o frontispício de um livro deveria ostentar os nomes do autor e do leitor, uma vez que eles compartem sua paternidade". (p. 202)
Autor: Alberto Manguel
Livro: O livro e os dias
Ano: 2005
Editora: Companhia das letras.
________________________
í.ta**

5 comentários:

Anônimo disse...

"Meus"
Ita, seu egoísta. (brincaderinha)
Rafael.

Guif Chicão disse...

Aew Ítalo. Ei, por acaso, vc copio o texto publicado de um livro? E Rafa, pq deixou anonimo o teu nome?

Enzo Potel disse...

amei essa segunda frase... putz... é mágica.
ando esbarrando com umas coisas geniais e alimentícias pela net. Você já ouviu falar no Catalão Joan Brossa? Tem um poema dele, chamado "Pesadelo da Borboleta", onde ele descreve uma borboleta pousada num molho de chaves.

eu piro!
abraço!

Rubens da Cunha disse...

oi, tá mais organizada que a minha
tenho raiva de mim porque nunca acho o livro que eu quero nem a vontade de arrumar aquela bagunça :)

abraços
Rubens

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Concordo com o Rubens: tá organizadinha, hehehehe.


Grande abraço,

*CC*