quinta-feira, 14 de agosto de 2008

três leituras. três sentires.






Três recentíssimas leituras que, por motivos diferentes, me fizeram parar de respirar por maravilhosos dias.


O quieto animal da esquina (João Gilberto Noll)


Narrativa de prender o fôlego. Uma narrativa toda centrada no personagem (este sem nome, o que encanta ainda mais). Acompanhá-lo é senti-lo na pele. Tão empolgado que fiquei, do Noll ainda li "Hotel Atlântico" (também de prender o fôlego), e "Canoas e Marolas".


Kafka e a boneca viajente (Jordi Sierra i Fabra)


A força da palavra. O poder da literatura. O encantamento que as duas proporcionam. Kafka como personagem. Um personagem que se torna autor de cartas de uma boneca para a menina que perdera tal boneca. Cartas estas que fazem a menina acreditar na vida e no amor de viver. História linda por demais. Sensibilíssima.


Renato Russo - o trovador solitário (Arthur Dapieve)


Depois de assistir por duas vezes à peça "Renato Russo - o trovador solitário", mergulhei fundo na biografia de um artista que tanto admiro. Li pela segunda vez a biografia, e novamente terminei ela com a sensação de que o cara foi alguém que vai além de nossa vã tentativa de tentar compreendê-lo. Ouvir suas músicas é o que nos resta. E tentar com elas ter o mínimo de sensibilidade que elas passam. Foi de arrepiar também.
Í.ta**

Um comentário:

Enzo Potel disse...

que legal vc colocar aqui o que você lê, e leituras interessantes num texto interessante.

inté!