terça-feira, 13 de maio de 2008

arriscando mais uma vez

etapas

silenciei escuros
em quartos de dor.

cruzei pernas, braços e dedos
em ritual
desconhecido
cruzei espinhos no peito.

cruzaram-me o olhar;
prenderam-me numa cruz:
estado de coma.

ainda apresento seqüelas.

Í.ta**

7 comentários:

Rubens da Cunha disse...

gostou de linkar né,
hehe
abraços

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Opa!

Gostei.

Abraços,

*CC*

Ariana disse...

Amei o post!
Mto legal o seu blog!

Beijo*

regina disse...

Italo:
no mundo inteiro, não existe criatura mais sem seqüela do que tu...
Mas eu AMEI!
bj

Suzana Mafra disse...

Ítalo

passava para deixar um recado e cruzo com este belo e forte poema.

Postei novo poema no Borboletras, apreciaria tua visita.

Abraço

Anônimo disse...

Ítalo, li teu artigo no A Notícia deste feriado. Muito bom ver um menino de apenas 20 anos escrevendo
com sabedoria.E que bom, faz poesia tambem!
Abraço da Fatima de Laguna.

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny