domingo, 10 de fevereiro de 2008

O mundo que transborda de si

A sensibilidade e a força de “Aço e Nada”, de Rubens da Cunha

Ítalo Puccini / Jaraguá do Sul

No livro que mandou a mim, o poeta e cronista do Anexo Rubens da Cunha agradeceu minhas leituras sempre atentas para seus olhares sobre o mundo. Olhares tão bem registrados pelas palavras. Retratos da consciência, que em seus escritos Rubens demonstra ter, de ser um sujeito imerso numa realidade mundano-social aprisionadora do próprio ser humano, da qual tenta ao máximo extrair algo que o alimente, que se junte aos alimentos diários da leitura e da escrita ou que sirva de alimento para um desses dois “vícios” que apresenta ter. O escritor de “Aço e Nada”, livro lançado pela Design Editora, de Jaraguá do Sul, é um sujeito dividido em diversos modos de ser/pensar/agir, presentes em diferentes crônicas-quase-contos do livro, que se complementam num só.
Para mim, e creio que para muitos outros leitores, são releituras a se fazer das crônicas presentes no livro. Ora mais densas, ora mais suaves, ora críticas, ora não, ora mais poéticas, ora mais objetivas em determinados assuntos, ora também quase-contos. Transbordando sensibilidade e poesia, as crônicas foram separadas no livro em quatro diferentes partes, com as últimas crônicas de cada parte dando nome à mesma correspondente: “Os Animais Dentro”, “Olho Vigiador”, “O Corpo da Gratidão”, “O Morador das Palavras”, que bem estariam encaixadas se não houvesse divisão, uma vez que a escrita em si do autor apresenta um traço muito bem caracterizado, sendo possível reconhecê-la à distância, encontrá-la, por exemplo, nos poemas-aço que formam sua “Casa de Paragens”: nos cômodos da sua casa-corpo, nos mínimos detalhes da natureza, e nos animais-moradores-de-seu-corpo: na dor corpórea da alma; na fragilidade de ser.
Um olhar sempre constante nas crônicas do livro (e também nos poemas do “Casa”) dirige-se aos animais. Estão eles dentro do escritor Rubens, ao redor, nos olhares, nos sonhos, na memória: “São imagens recorrentes, já que ainda não descobri elemento mais poético na natureza e mais propício às buscas metafóricas que pratico”. As crônicas de “Os Animais Dentro” trazem um pouco dessa relação, além de apresentar ao leitor outros modos de ser animal, com o ser humano e suas formas de pensar, sentir e agir.
Nas crônicas de “Olho Vigiador”, Rubens apresenta seus olhares atentos para os habitantes e para a sua, até o momento, casa de paragem, cidade na qual nasceu e em que vive, por onde o Rubens cronista busca o assunto para suas crônicas semanais. O corpo da gratidão é a mãe, é a noite, é um poço de contrários, “é uma inutilidade feita apenas para aguentar o peso do mundo: um poema perdido entre os cadernos; flores nos beirais das casas; fotografias”. É o fluxo inexorável do cotidiano, passando por cima do tempo e do espaço, de amizades antes fortalecidas; é o sentir que animaliza o humano; é a natureza, recoberta de poesia, que, “sem avisar, põe sobre a cidade um lençol branco”.
Rubens da Cunha é o escritor morador da palavra exílio (ou seria apenas mais um dos personagens marcantes no livro?). Escritor por prazer, por sentir o sangue correr em seus abismos. Escritor pela dor: “O papel me dá seus ouvidos e demais buracos gratuitamente. O papel é uma prostituta apaixonada. Escrevo para gozar e porque tenho bom vocabulário”. Pelo poder de ser escritor, pelas máscaras que colocam sob os escritores. Escritor por maldade, por instinto, por covardia, por alegria, “por estar preso nesse cárcere e porque aprendi a mentir desde cedo”. A escrita de Rubens nos leva a desejar mais mentirosos assim.

“Aço e Nada” – Design Editora, 176 páginas, R$ 15,00 (preço médio). Mais informações: atendimento@designeditora.com.br.

Ítalo Puccini, acadêmico de letras e professor de literatura em Jaraguá do Sul
________________________________________
Texto publicado no caderno Idéias do jornal A Notícia de domingo (10-02).
Link http://www.an.com.br/anexo/2008/fev/10/0ide.jsp

Í.ta**

6 comentários:

Regininha disse...

Tá lindo, cara!
E Rubens merece!
bj.

Guilan disse...

excelente... gosto das palavras de Rubens, que dizem que o papel é uma prostituta apaixonada.

Ilaine disse...

Que belos olhares.
Adorei esta postagem.
Abraço

Suzana Mafra disse...

Bom ver as crônicas do Rubens através do teu olhar.

Obrigada pela visita ao borboletras.

Abraço

Rubens da Cunha disse...

valeu a resenha
a primeira é sempre inesquecível :))

alex pinheiro disse...

"Aço e Nada" me chegou respirando atmosfera que de olhos primeiro me identifiquei,,,
Rubens da Cunha está, agora, ensinando o caminho das crônicas agradáveis pra mim. Duma letra que tem sabor e aroma,,, cheirei o sul do país como se estivesse lá.
Estou a terminar "Aço e Nada" pra comenta-lo...

Bela resenha, Ítalo,,, visão de quem tem "pensão" de Rubens (rs). Foi bom ler...

Abraços e reproduzidas invenções!