sábado, 30 de junho de 2007

sobre a necessidade de escrever



"Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse a sempre novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias. Mas preparado estou para sair discretamente pela saída da porta dos fundos. Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o seu desespero. E agora só quereria ter o que eu tivesse sido e não fui.
(...)
Ou não sou um escritor? Na verdade sou mais ator porque, com apenas um modo de pontuar, faço malabarismos de entonação, obrigo o respirar alheio a me acompanhar o texto".
(Clarice Lispector - A hora da estrela - pp. 21-23)
aos meu amigos escritores Rubens da Cunha e Pedro, os quais imagino conhecer pelas suas escritas.
Í.ta**

3 comentários:

Rubens da Cunha disse...

Valeu Ítalo,

texto de Clarice dedicado a mim é honra grande.
abrços
Rubens

Pedro disse...

seObrigado pela homenagem, Ita =]

Sou escritor porque não sou só observador.

Preciso de um ator para entender meu cenário, sendo meu próprio redator.

Gostei de ambas citações, abraços.

Pedro disse...

*corrigindo

Obrigado pela homenagem, Ita =]

Sou escritor porque não sou só observador.

Preciso de um ator para entender meu cenário, sendo meu próprio redator.

Gostei de ambas citações, abraços.