quarta-feira, 9 de agosto de 2006

vazio (ou apenas cheio demais)


hoje

hoje
eu apenas queria
receber uma ligação.
agora ou logo mais
às 2 ou às 7 da manhã
e que apenas
a voz do outro lado da linha
me dissesse:
"liguei para saber como você está".

hoje
eu apenas gostaria
de encontrar na caixinha do correio
ou sob minha cama
uma carta.
pudesse ser sem remetente,
de um desconhecido
de uma fada, ou anjo
mas que apenas contivesse
palavras tais quais:
"serenidade. esse o pilar imprenscíndivel
à construção da SUA obra. o caminho,
você sabe,
está apenas no início,
e é promissor".

hoje
eu apenas desejava
chorar.
desafogar meu SER -
entupido de lodos, águas sujas
de mares e rios -
no ombro de uma pessoa
ou em meu próprio ombro
apenas não mais
em meu coração.

hoje
eu apenas almejava
um olhar, um sorriso e um beijo.
recebi-os!
estou por completo.
o medo vem de mim, nasce em mim
morre em mim
a paz vem dela, nasce em nós dois
nunca morre; não deixamos.

Í.ta **
hoje
eu apenas estou
para sentir esses
Versos
que por mais que
me façam sentir a dor
da (in)capacidade
aliviam-me, um pouco,
toda angústia e tolice
em querer à essência chegar, senti-la,
e a novos ouvidos insensíveis explicá-la;
pura tolice.

hoje
eu apenas vou viver
com duas frases,
que acolhem-me
e afagam meu cabelo (externamente)
e meu espírito (internamente):
"nada te cura senão tu mesmo"
"chega-a-ser o que tu és".

hoje
agora,
apenas agora,
ME SENTI.
obrigado
pela licença,
eternamente.

2 comentários:

anjo disse...

"já estou cheio de me sentir vazio" (Renato Russo)

Í.ta**

Anônimo disse...

gosto das tuas croniquetas. estes poemas e textos sensibilíssimos, no entanto, mostram algo tão mais bonito, tão mais pulsante, como se as palavras houvessem sido costuradas umas às outras com fios de alma. sabes? já és um homem feito, maduro, responsável - sim - mas continuas tendo holofotes no lugar das pupilas, holofotes estes que não se revelam mais com tamanha intensidade nos teus escritos atuais. apesar de assemelhar-se a uma crítica, não espero que este comentário se comporte como tal, mas sim como um pedido por mais deste Ítalo com quem me identifico tanto.